PUB
mascote
PUB


14 January, 2019 Aprende de uma vez, Rui!

Ela deixa cair a cabeça para trás, deixando o seu pescoço exposto a qualquer tipo de ataque.

Nunca mais, Rui. Esquece. Nunca mais te metes numa destas. É só o que retenho do tempo em que "estive" com a Júlia. Mulher complicada e meio louca. Paciência para aturar esta mulher. Nunca mais Rui. Já tens idade para ter juízo!

Aprende de uma vez, Rui!

Estou farto deste joguinho de gato e do rato. A Júlia está a mexer demais com a minha pessoa.

Marca um café mas logo depois desmarca. Envia-me mensagens tanto melosas como depois se enerva com o nada. Depois envia-me fotografias, mas eu continuando sem sorte nenhuma. No fim de contas, a sorte dela é que é uma gata rara porque da boca dela também muita coisa boa não sai.

Ao fim de quase seis meses lá consegui finalmente ter novamente a Júlia à minha frente. Consegui convencê-la a jantar comigo, o que me dá vantagem para enquanto colocamos a conversa em dia eu relembro-me de cada curva do seu corpo voluptoso.

Ao longo do jantar eu não conseguia tirar os meus olhos do seu decote. Ela veio para me provocar.

- Pensaste em alguma coisa para depois do jantar? - questiona-me do nada.

Há um silêncio, um pouco para o incomodativo, pois eu não estava à espera de lhe ter que dizer, mas sim de demonstrar-lhe o que tinha pensado para aquela noite. Seis meses à espera desta menina, não ia deixá-la escapar assim, tão facilmente.

- Aproveita a refeição, querida. Mas conta-me mais... Como vão as coisas no trabalho?

O jantar acabou da maneira que eu tinha imaginado: ela um pouco torcida por causa do vinho do jantar e com um espírito destemido. Uma louca!

A caminho do carro ela começou a colocar a sua mão no meu bolso das calças.

Com um sorriso maroto estampado na cara, parecendo uma garota, questiona-me :

- O que é isto?

Diz-me isto enquanto me toca ao de leve no pénis, através do tecido do bolso das minhas calças.

- Menina ! Controle-se! - respondo-lhe num tom reprovador - Vá, meta-se lá no carro. Quero levá-la a um sítio bonito.
- Ah!... Está bem então... - responde-me apenas com um olhar triste.

Antes de a colocar no meu apartamento levei-a a vários sitios de Lisboa, os spots comuns para os casaisinhos. Não me queria alongar muito, pois já saimos um pouco tarde do restaurante.

No último spot onde a levei, enquanto estávamos nos amassos dentro do carro, ela afasta-se. Retém-se no banco. Até que separa os seus lábios para dizer:

- O que queres de mim?
- O quê?! Como assim?! - apanhado de surpresa novamente.
- Porque andamos a trocar mensagens já faz meses, já estivemos antes juntos. Agora o que queres? Queres que eu seja a tua sobremesa do jantar, é isso?

Apanhado de surpresa novamente. Cada vez que ela abria a boca deixava-me mais confuso, mais baralhado. 

Mas o que achava aquela gaja? Queria o quê?! Rosas e chocolates a esta hora da noite?
Respirei fundo. Mesmo muito fundo.

Enquanto ela falava, eu ouvia-a como se ela estivesse no fundo de um túnel, eu tentava encontrar as melhores palavras para dar a volta à situação.

"Rui, aprende : Esquece a merda do Tinder." - uma frase que nunca mais esqueci depois daquela noite.

Contei até dez. Ela continuava a falar e eu inconsientemente ia abanando a cabeça acenando de forma afirmativa a cada frase que ela dizia, sem ter consciência do que ela estava para ali a dizer.

- Júlia, calma. - digo-lhe enquanto lhe pego nas suas mãos. - Posso dar uma sugestão?
- Sim... - responde-me num tom quase não audível.
- Então.. Que me diz de irmos até ao meu apartamento beber um copo de vinho branco bem fresco?

Ela fica a olhar nos meus olhos e depois nas nossas mãos dadas. "Já estás", pensei.

- 'Bora lá então! Que seja bom esse vinho! - diz entre meio de risos.

A Júlia nunca tinha estado no meu apartamento, mas fez mesmo de conta que estava em casa. Mexeu e remexeu em todos os cantos e recantos da minha casa. Até a minha gaveta dos boxers foi vista. "O que está a gaja a fazer?", penso enquanto começo a servir os copos.

- Júlia, querida está aqui o teu copo.
- Tens uma casa tão gira! - grita-me desde o quarto.

Passam alguns momentos e a mulher não aparece.
Dou um gole no meu vinho, pego no copo dela e dirijo-me até ao meu quarto. "Ela deve estar lá. Não se ia atirar da varanda", pensei.

- Júlia, tenho aqui o teu vinho.

Digo enquanto entro no quarto. Mas rapidamente me calei. Calei-me ao ver uma morena com cabelos longos, deitada na minha cama vestida apenas com uma lingerie vermelha. Na minha cama, uma morena linda e perfeita. Na minha cama.

- Que bela vestimenta que você tem vestida. - digo meio atrapalhado, pois ela trocou-me as voltas todas, novamente.
- Gosta? - questiona-me com um sorriso deliciosamente maroto, enquanto roda sobre a cama, até ficar com o rabo bem espetado.

Bem espetado e alinhado com a minha pessoa.
Que visão! Aquela cintura. Aquelas nádegas tão redondas e perfeitas com aqueles boxers rendados. Que delicia. Que belo Mon Chéri tenho eu, aqui, para mim.

Começa a rodar as ancas de forma sensual, ainda deitada na cama. Eu queria aquele rabo bem perto do meu pénis. Fui até perto dela, segurei-a firmemente pelas ancas e juntei-a bem perto de mim, bem perto da minha cintura. Ela deixa cair a cabeça para trás, deixando o seu pescoço exposto a qualquer tipo de ataque. Agarro-o. Aperto-o. Ela deixa escapar uma boa lufada de ar, enquanto me tenta estimular o pénis que ainda está preso, acorrentado nas minhas roupas.

Não a deixei mudar de posição. Queria aquele rabo bem junto de mim. Ela com muita audácia desapertou-me as calças e as desceu, e com elas foram juntamente os boxers.

O meu pénis está mais que duro, mais que erecto. Cravo-o contra o seu rabo.
Desço-a, enquanto lhe empino aquele rabão. Junto-me a ela. Enquanto lhe deposito beijos ao longos das costas. Ao chegar aos boxers, retiro-os com os meus dentes.

- Cuidado, não mos estragues. - diz-me ao olhar-me com uns olhos melosos.
- Esteja calada, por favor. - respondo de forma rispida.
- Mas...
- Não vou repetir. - digo-lhe seriamente.

Retirei-lhe os boxers com os meus dentes. Ela estava no meu território. No meu quarto, o Manda-Chuva, o Chefe, o Rei sou eu. Sendo assim virei-a sobre a cama. O Rei quer, o Rei tem.

A Júlia era tão leve. Era uma boneca perfeita. Mas eu tinha noção que não era para manter.

Naquela noite eu matei a fome que tinha da Júlia. Tratei-a como ela deveria ser tratada: uma dama à mesa, mas uma vadia na cama.

Ela gostou. Gostou tanto que durante duas semanas tive que aturar o meu vizinho do andar de cima a pedir para lhe contar os meus truques e as vizinhas a darem-me olhares por vezes reprovadores e outras vezes nem tanto. Tudo porque a menina Júlia não gosta de foder sem um estímulo oral. Um bom estímulo.

Depois da noitada com a Júlia, claramente que ela foi de Uber para casa, não tenho "hard feelings" sobre o que fiz. Ela chegou bem a casa, pois enviou-me sms assim que chegou. Coisa que nunca mais parou de fazer.

Encheu-me a caixa de mensagens do telemóvel e nas redes sociais. Ela queria mais. A menina Júlia queria mais e os meus vizinhos também queriam mais, mas olha: nada feito.

Estou bem assim e aprendi a minha lição – Esquece o Tinder maluco!

Alexa

Alexa

Uma mulher com imaginação para dar e vender.
Sempre gostei de escrever, mas coisas eróticas... isso gosto mais. Levar um homem à loucura através de palavras e da sua própria imaginação. Como adoro...

blog comments powered by Disqus