PUB
mascote
PUB


24 novembro, 2014 Massagens a dois

Mais um dos meus amigos voltou a entrar em contacto comigo, andámos às mensagens durante meses a fio, até que um dia decidimos encontrar-nos em Lisboa, mas supostamente para apenas um café.

Dois a três dias antes do encontro, fiquei nervosa e deixei de conseguir comer, mais uma vez as borboletas atacaram o meu estomago, não sei como é que ele está, não vejo há mais de 5 anos, será que vai achar que estou bem?

Massagens a dois

Durante várias semanas andamos a planear o “grande” encontro, mas há última da hora decidimos mudar, afinal não vai ser só um café, vamos tentar algo mais, o desejo e tensão sexual sempre foi muito grande entre nós, mas nunca ninguém teve coragem de dar o primeiro passo.

Vamos a uma casa de massagens! Claro que não é uma casa qualquer, as meninas que lá estão a trabalhar fazem massagens com final feliz, tanto para ele como para ela! Chegou o tão esperado dia, quinta-feira, não interessa o dia, combinamos às nove em minha casa, e como sempre, ele acabou por se atrasar um pouco, mas não faz mal, marquei as massagens apenas para as dez horas, não fosse acontecer alguma coisa….

O telemóvel tocou, era ele, “já estou à tua porta, podes descer”, e lá fui eu toda contente, não sabia como deveria cumprimentá-lo, não o via há imenso tempo, um beijo na boca ou dois na cara? As mensagens já há muito tempo que não eram só de bons amigos mas sim de amigos com intimidade.

Decidi ir pelo mais seguro, dei-lhe dois beijos na cara, e ri-me! Simpático como sempre, disse-me que estava bonita e que não tinha mudado nada desde a última vez que nos vimos. Seguimos então para a casa de massagens, ainda ficava a meia hora da minha casa, o caminho decorreu normalmente, falámos, rimos, brincámos e trocámos olhares. Nunca dissemos nada mas a tensão sexual estava a acumular cada vez mais.

Chegámos à casa de massagens, fomos muito bem recebidos, na altura em que marquei pedi uma massagem para casal, assim podíamos tirar proveito dos corpos seminus e deixar que a imaginação fizesse o resto. Fomos separados, para nos despirmos e enrolarmos o toalhão à volta do corpo, estava calor e não percebo bem o que se estava a passar comigo mas sentia-me quente por todo o corpo….

Duas meninas entraram no espaço. Já estávamos deitados à espera delas na marquesa, com o cheiro de velas de chocolate e música ambiente muito sensual e relaxante. As meninas eram bonitas e extremamente bem-feitas, tinham um corpo divinal. A certa altura cheguei mesmo a pensar que não devíamos de ter ido para lá, ainda ele queria ficar com elas e não comigo… A massagem começou, pedi-lhes que começassem primeiro por ele, as duas, uma pequena prenda, iniciaram a massagem, uma de cada lado, as costas, foram mexidas e via na cara dele que estava completamente deliciado pela forma como estava a ser tocado.

Uma mão atrás da outra, percorria o seu corpo nu, puxando cada músculo e ligamento de forma sensual mas brusca, fiquei apenas a observá-lo, mordia o lábio como se estivesse a sentir prazer, mas não podia tocar nelas, essa foi uma das regras, só elas é que massajam. Cerca de 20 minutos depois, já estava virado de barriga para cima. Via que estava completamente erecto, mas não fazia mal, só tinha era vontade de ser eu a tocar-lhe, mas não podia, até que ele olhou para mim e disse que queria que fosse eu a tocar-lhe e que as meninas se podiam ir embora. Aluguei o espaço por três horas, mas ele não quis saber mais delas, puxou-me para ele, e meteu a minha mão no seu pénis erecto, grande, e grosso. Já tinha visto uma fotografia mas nunca ao vivo e a cores.

Decidi que teria que ser eu a dar-lhe o final feliz, mas de uma forma oral e não manual, ele estava completamente excitado e os seus olhos estavam quase que vidrados a olhar para mim, ali nua apenas de chinelos nos dedos. Comecei por lhe tocar no peito, massagem com força, visto que sou bruta e não sei fazê-lo de outra forma, agarrei-lhe o peito, apenas com força suficiente para saber que o desejava e o queria dentro de mim.

Ele tentou-me beijar mas não deixei, passei-lhe apenas as mamas pela cara e deixei que me acariciasse e beijasse os mamilos, de forma bruta e sensual ao mesmo tempo. Achei que foi nesse preciso momento que senti que estava mesmo muito molhada e não me conseguia controlar.

Agarrei-lhe o pénis com a mão, e durante alguns segundos brinquei com ele. Fiz uma pequena simulação, quase que lhe estava a bater uma, mas não deixei que se entusiasmasse muito pois queria mais. Foi então que gentilmente meti o pénis dentro da minha boca. Com a língua fazia círculos à volta da cabeça e com a mão continuei a subir e a descer… Os seus olhos ardiam de paixão e tesão, queria-me tocar mas não deixei, e continuei o que estava a fazer durante mais 20 minutos, antes que se viesse meti o pénis todo dentro da minha boca, fiz-lhe o que provavelmente terá sido o melhor broche da vida dele, não parava de dizer o meu nome e gemer, mordia o lábio e invocava várias vezes o nome de Deus em vão.

Quando percebi que se estava quase a vir voltei à posição inicial, dei-lhe mais umas quantas lambidelas, massajei-lhe os tomates e voltei a mete-lo todo na boca, uma espécie de garganta funda. Quando ia a tirar já não fui a tempo… Ele ficou completamente louco de tesão e veio-se meio dentro da minha boca, e acabou nas minhas mamas…        

April Smith

April Smith

Falar de sexo, sem tabus e sem preconceitos! Esse é o meu objectivo.

 

blog comments powered by Disqus

Inserir Anúncio Gratis