PUB
mascote
PUB


14 dezembro, 2016 Esperma daqui para fora!

Nem todas as esporradelas são iguais: estudo de caso.

Na pornografia, vês sempre duas coisas: tarolos de chicha que mais parecem silos de centeio e autênticas chuveiradas de meita. È com cada mangueirada que aqueles gajos espetam na fronha das actrizes que chegam a transformá-las em bonecas de cêra do Madame Tussaud.

Esperma daqui para fora!

Concerteza haverá ali algum truque do ofício para aquilo ser sempre assim, certo? Ou sou só eu que sofro de algum problema de pressão na canalização? Atenção: eu já as mandei assim também, mas foi quase como acertar em três números do Euromilhões. O esforço que tive para jorrar daquela maneira veio do prolongamento de excitação que fui alvo por parte de uma senhora mais velha que me fez literalmente dar à língua para a poder foder. E durante esse tempo todo, o mastro estava mais rijo que um menir do Obelix e a começar a exibir uma veias estranhas de lado derivado ao excesso de pressão sanguínea (as chamadas dores do caralho no caralho). E verdade seja dita, quando meti aquela barra de titânio bem fundo na cona da tipa, aquilo foi meia dúzia de bombadas à Usain Bolt seguidas de uma esporradela daquelas de lançar a tipa a voar contra a parede do quarto, quase como se eu tivesse um canhão de água da PSP no meio das pernas.

Mas a chamada esporradela comum (do latim “Comunus Esporradelus”) não oferece este espectáculo do caralho. Se bem que existem aquelas explosões de sumo de Homem com maior força, não se comparam às dos actores e já para não falar naquelas que saem sob a forma de pó após uma sessão contínua de punhetas nocturnas. Aquelas que são comandadas por uma cabeça cheia de tesão e o binómio caralho/mão a pedir descanso. Seja qual for a esporradela que sai, a mesma tem origem numa série de factores que a condicionam na consistência, velocidade e duração. Quando fodes a primeira vez com uma tipa, aquilo sai em altas por causa da tesão da novidade. O que dizer então da esporradela de um homem casado para dentro daquela cona lassa da mãe dos filhos? Pinguinhas, meus amigos. Só isso: pinguinhas. Ou a esporradela acumulada? Esta recomendo a todos: nada de sexo durante 15 dias. Nem punhetas, foda-se. Depois, arranjem uma tipa nova para comer e espetem-lhe uma foda fantástica de 2 minutos. Pouco tempo? Digam-me lá se não preferem ver a final dos 100 metros em vez da maratona nos Jogos Olímpicos? Um velocista pode ser rápido na sua arte, mas dá um espectáculo do caralho e merecedor daquele champanhe da vitória na boca da gaja.

Claro que cada caso é um caso ou, neste caso, cada caralho é um caralho.

Não duvido que haja entre os fodilhões leitores do blog, um autêntico “boca de incêndio” que transforma cada punheta num redecoração a branco do quarto.

Para mim, a melhor esporradela é a da punheta aliviadora. Não aquela da rotina, a que eu e tu batemos todos os dias apenas porque sim, mas a primeira após alguns dias sem espancares o palhaço (tipo dois dias!). Essa, para mim, é especial. Aquela que sai pela cabeça do caralho e escorrega para a mãozinha.

Não é a melhor esporradela da vida, mas é só minha.

Até domingo e boas punhetas.

Noé

Noé

Noé

Trintão miúdo de coração ao pé da boca. Perdido em fantasias concretizadas e concretizáveis apenas preso por amarras do anonimato. Relatos passados de opinião libertina é um santo pecador por excelência.

  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
blog comments powered by Disqus

Inserir Anúncio Gratis