PUB
mascote
PUB


15 agosto, 2015 Sei as tuas mamas... Alisa

A beleza de uma mulher nua num vídeo que é também poesia...

Se há perfeição terrestre, ela está nas curvas do corpo das mulheres. E Alisa Liss, a bela ucraniana que protagoniza este vídeo, é tão perfeita como sensual e mostra-se sem pudores e sem falhas, com as fartas mamas em evidência, num vídeo que vale mesmo a pena ver.

As belas mamas que fazem este filme brilhar são de Alisa Liss, uma modelo ucraniana a viver em Moscovo, na Rússia, que é fã de Pandas, conforme se pode depreender da sua conta no Twitter.

Não se sabe muito mais de Alisa Liss, mas nem é preciso! Basta olhar para os contornos da sua figura para ficarmos a saber que ela é uma das Evas deste mundo que encarna a perfeição feminina na plenitude.

AlisaLiss1

Este pequeno vídeo sexy é também uma espécie de hino às mamas, esse apetrecho carnal das mulheres que é alvo de tanto desejo e, na mesma medida, de tanto mistério. Ora, para desfazer algumas dúvidas, é uma boa ideia espreitar as curiosidades sobre as mamas que provavelmente não conhecias.

E como este vídeo, que também é uma espécie de poema, nos deixa absolutamente sem palavras, não há melhor forma do que dizer o que corre na alma do que pelas palavras de Alexandre O'Neill com o poema "Seios".

Sei os teus seios.
Sei-os de cor.
Para a frente, para cima,
Despontam, alegres, os teus seios.
Vitoriosos já,
Mas não ainda triunfais.
Quem comparou os seios que são teus
(Banal imagem) a colinas!
Com donaire avançam os teus seios,
Ó minha embarcação!
Por que não há
Padarias que em vez de pão nos dêem seios
Logo p´la manhã?
Quantas vezes
Interrogaste, ao espelho, os seios?
Tão tolos os teus seios! Toda a noite
Com inveja um do outro, toda a santa
Noite!
Quantos seios ficaram por amar?
Seios pasmados, seios lorpas, seios
Como barrigas de glutões!
Seios decrépitos e no entanto belos
Como o que já viveu e fez viver!
Seios inacessíveis e tão altos
Como um orgulho que há-de rebentar
Em desesperadas, quarentonas lágrimas...
Seios fortes como os da Liberdade
- Delacroix - guiando o povo.
Seios que vão à escola p´ra de lá saírem
Direitinhos p´ra casa...
Seios que deram o bom leite da vida
A vorazes folhos alheios!
Diz-se rijo dum seio que, vencido,
Acaba por vencer...
O amor excessivo dum poeta:
«E hei-de mandar fazer um almanaque
Na pele encadernado do teu seio!» (Gomes Leal)
Retirar-me para uns seios que me esperam
Há tantos anos, fielmente, na província!
Arrulho de pequenos seios
No peitoril de uma janela
Aberta sobre a vida.
Botas, botifarras
Pisando tudo, até os seios
Em que o amor se exalta e robustece!
Seios adivinhados, entrevistos,
Jamais possuídos, sempre desejados!
«Oculta, pois, oculta esses objectos,
Altares onde fazem sacrifícios
Quantos os vêem com olhos indiscretos» (Abade de Jazente)
Raparigas dos limões a oferecerem
Fruta mais atrevida: inesperados seios...
Uma roda de velhos seios despeitados,
Rabujando,
A pretexto de chá...
Engolfo-me num seio até perder
Memória de quem sou...
Quantos seios devorou a guerra, quantos,
Depressa ou devagar, roubou à vida,
À alegria, ao amor e às gulosas
Bocas dos miúdos!
Pouso a cabeça no teu seio
E nenhum desejo me estremece a carne
Vejo os teus seios, absortos
Sobre um pequeno ser.

Gina Maria

Gina Maria

Moça católica e de boas famílias, apaixonada por secretas fantasias, eternamente interessada em mais, mais, mais...

blog comments powered by Disqus

Inserir Anúncio Gratis