PUB
mascote
Banner Favoritos
PUB


23 novembro, 2013 Um negro na noite, Ep 6 ao Ep 10

   * SEXTO EPISÓDIO *

O quarto de banho era amplo. Em mármore de Carrara com dois lavatórios. Um espelho, a todo o comprimento, permitia de costas ver quem entrava ou saia. As luzes, cruzadas, vindas de projectores invisiveis ofereciam ao espaço um balançar calmante tal como a musica envolvente. Quem fizera a obra sabia do oficio. Tornar um espaço intimo numa sala de convivio é nota. Pensei na Isabel. Como gostaria de subverter o cara-de-menina e como gozaria com o negro-agrónomo numa noite sem enganos. A Isa era uma senhora na rua e uma tarada na cama fosse homem ou mulher. Estes pensamentos levaram-me à erecção que do
Bar trouxera.

Um negro na noite, Ep 6 ao Ep 10

    * SÉTIMO EPISÓDIO *

Passei agua pela cara e, quando me limpava
a um toalhete de pano, Emidio, o negro, entrou. Virei-me. Abraçou-me e senti o molhado-morno da sua lingua dentro da minha boca. Abri-lhe o fecho das calças. Um rolo repousou na minha mão. Empurrou-me, meigamente, a cabeça. Junto da minha cara, erecto, um sexo negro circunzizado. Meti-o na boca enquanto lhe afagava os tubaros. Senti-o em gozo. Voltei-o e a minha lingua começou a vaguear, prega a prega.
Enfiei-a todo no seu cu não lhe largando o caralho. Senti que estava
quasi a ejecular. E aconteceu...  

   
    * OITAVO EPISÓDIO *

Voltei-o bruscamente. O seu pau ansiava caricias. Lambi-lhe de novo os tomates. Afagou-me a cabeça e pediu-me que voltasse ao trazeiro. Abri-lhe as nádegas e a minha lingua não parava.
Contorcia-se em prazer. Na minha mão aquele naco-negro-tesudo. Não aguentou mais."- Agora!" Foi só o tempo de me virar. Meti-o todo na boca. Um gemido e uma ejeculação, semelhante a uma onda de sete metros. Comi gulosamente. Ele levantou-me e num beijo dividimos o leite. Ambos estávamos já sem calças quando a porta se abriu. Era o cara-de-menina. Eu não me viera e estava de pau feito. Correu para mim e meteu a minha piça na sua boca. Esporrei-me. Engoliu tudo como se de nata se tratasse. Arreiou as calças mostrando um rabo bem esculpido e
um sexo competente.      


    * NONO EPISÓDIO *
 
O preto já estava, outra vez, de pau feito.
Olhou aquele rabinho e atacou-o como gato a bofe. O cara-de-menina gemia de prazer. O seu pau estava hirto. Que fazer? Tão só mamá-lo enquanto era enrrabado. Tinha uma pila com prepucio o que permitia tirar para fóra a cabeça, lambe-la e voltar a mete-la. Assim fiz num vai-vem continuo. O negro continuava imparável. Então veio-se para dentro do puto com um gemido de gozo. Em simultaneo o puto jogou leite na minha boca. Tanto que algum me escorreu pela minha cara. O preto dobrou-se e, com uma lingua de veludo, lambeu as minhas faces.
Compuzémo-nos e voltámos ao balcão do Bar como se nada tivesse acontecido. Olhei o relógio. Duas horas.  


   * DÉCIMO EPISÓDIO *  

   Max, o barman, batidão de longas e vividas
noites, entendeu o que se havia passado. Serviu-nos mais bebidas e levantou o polegar. Sorri e disse-lhe:"- Max. É a vida..."  Do outro lado o cara-de-menina conversava, animadamente, com uma loira-olho-azul, cota bem cuidada, com uns proeminentes peitorais que pareciam querer saltar do vestido. Max reparou. Aproximou-se e
sussurrou:  "- É a mulher dum embaixador..."  Eu e o Emidio após a "carnificina" no quarto de banhou voltaramos ao bate-papo. 

Lingua de Radar

Lingua de Radar

Aeneanero sit amet quam egestas semp ultricies mi vitae est. Vestibulum erat wisi, condimentum sed, commodo vitae, ornare sit amet, wisi. Aenean fermentum, elit eget tincidunt condimentum.

blog comments powered by Disqus

Inserir Anúncio Gratis