PUB
mascote
PUB


12 janeiro, 2017 Sexo pago pelo Estado para quem mais precisa

Proposta de um partido para quem não pode pagar os serviços de uma acompanhante.

Sexo com trabalhadores e trabalhadoras do sexo pago pelo Estado para os mais necessitados. É a proposta do Partido Verde da Alemanha que está a dar que falar em todo o mundo.

Sexo pago pelo Estado para quem mais precisa

O sexo com acompanhantes deve ser pago pelo Estado nos casos em que as pessoas são demasiado pobres ou apresentam incapacidades físicas ou mentais, é o que defende o Partido Verde da Alemanha.

A porta-voz do partido, Elisabeth Scharfenberg, defende que os médicos deveriam poder passar receitas médicas para que os seus pacientes recorram a trabalhadores ou trabalhadoras do sexo, com a devida comparticipação do Estado.

A prostituição é legal na Alemanha, onde há bordéis a funcionarem nas principais cidades. Recentemente, tem surgido uma crescente vaga de serviços de assistência sexual para pessoas com deficiência, física ou mental, e para idosos que vivem em lares.

"Ejaculação (medicamente) assistida"

No Japão, esta ideia da "assistência sexual" é levada muito a sério, como já falamos aqui no artigo "Ejaculação assistida: trabalhadora do sexo fala sobre este serviço".

No caso alemão, o cliente com incapacidades tem oportunidade de escolher esta versão da ejaculação assistida, em que ocorre apenas a masturbação, ou o também chamado "toque carinhoso", mas também pode optar pelo sexo completo, ou até por serviços de índole fetichista, como o bondage.

Mas esta "assistência sexual" é dada às custas do cliente, que suporta os gastos do seu prazer.

O Partido Verde alemão quer mudar isso para garantir que estes serviços sexuais são encarados como despesas médicas.

A agremiação política inspirou-se na Holanda e na Dinamarca, onde a Segurança Social paga a "assistentes sexuais" certificadas, com formação específica, que prestam estes serviços a pessoas com incapacidades que não os podem pagar do seu próprio bolso.

A porta-voz dos Verdes alemães defende que o mesmo princípio e a mesma lei se devem aplicar na Alemanha.

Financiar a assistência sexual é viável. As autoridades locais poderiam aconselhar quanto às possibilidades disponíveis e fornecer os subsídios de que precisassem.

Elisabeth Scharfenberg esclarece que o primeiro passo seria a obtenção de um certificado médico a confirmar que a pessoa é incapaz de obter prazer sexual de outra forma, a não ser pagando, bem como a atestar que não tem dinheiro suficiente para custear o serviço.

Prós e contras

A ideia é contudo, controversa, mesmo entre os activistas dos direitos das pessoas com incapacidades, como é o caso de Matthias Vernaldi, que tem uma deficiência física grave e que é contra a medida dos Verdes.

Sexo pago pela Segurança Social reforçaria a percepção pública de que as pessoas com deficiência são uma espécie de criaturas imperfeitas.

O Partido Social Democrata alemão já falou da proposta dos Verdes como um verdadeiro "absurdo" e alguns académicos vieram a terreiro sublinhar que o sexo não é uma necessidade médica.

Mas a escritora e terapeuta sexual Vanessa del Rae é defensora da ideia, notando que, no fundo, é uma questão de humanidade.

"Nos anos recentes, temos visto na Alemanha, o advento do companheiro sexual, especialmente em relação às necessidades sexuais dos homens e mulheres idosos.

Estes profissionais conhecem as dificuldades, a timidez e a vergonha das pessoas mais velhas."

Gina Maria

Gina Maria

Moça católica e de boas famílias, apaixonada por secretas fantasias, eternamente interessada em mais, mais, mais...

blog comments powered by Disqus

Inserir Anúncio Gratis