PUB
mascote
PUB


22 abril, 2018 Bate-me com força (mas com calma!)

Lá de vez em quando temos de dar uma palmada ou receber umas quantas.

E qual é a força que devemos aplicar? Existe uma escala de medição a que possamos recorrer para podermos medir a força aplicada? Uma espécie de escala de Richter para os palmadões no rabo que nos servisse de guia de bolso para nos guiar nesse limbo fantástico do prazer e da dor.

Bate-me com força (mas com calma!)

Que espete a primeira palmada no rabo quem nunca esteve numa situação destas:

- Bate-me…

(palmada no rabo)

- Eu disse para me bateres, seu maricas.

(palmadão no befe com toda a força!)

- Mas tu estás parvo? Vou ficar toda marcada.

Ora aqui está a problemática exposta de forma resumida. O que é força a menos e força a mais se não sabemos de antemão o que esta pessoa gosta? Devemos estar ali a testar vários níveis de força como se estivéssemos a apalpar terreno para o palmadão perfeito? Aquele palmadão celestial que a faz gemer de prazer e de dor simultaneamente não é fácil de dar (principalmente na primeira vez). Por outro lado, não é nada sexy perguntar à outra pessoa como é que ela gosta de levar, pois revela uma tremenda inexperiência e falta de segurança (que é um tira-tesão de primeira!).

Eu já tentei treinar os palmadões em mim próprio e a coisa não correu bem. Ao homem não dispõe da mesma resistência à dor que uma mulher e ao final de duas palmadas resolvi desistir desta experiência cientifica e fui pôr creme no rabo.

Consultando uma amiga minha apreciadora do acto, ela aconselhou-me a manter a força ao nível de marcar o rabo com a mão mas sem deixar inchaço, ou seja, deve ficar aquele vermelho quente bastante saudável. Também mencionou o timing como sendo um factor primordial na força a aplicar. Isto significa que se pode aplicar palmadões com vários níveis de força em alturas diferentes, entendem? Sei que isto parece algo do senso comum, mas um gajo naquela altura tem mais em que pensar e uma boa cábula que esta senhora me deu foi a seguinte:

“A força aumenta na mesma medida que os gemidos de prazer”

Portanto, pancadinhas de amor ao início e quando ela estiver a gritar e a gemer que nem um animal de rancho a dar à luz, é largar toda essa tesão na palma da mão e tatuar aquela borda rosa de vermelho.

Nada como um bom palmadão na hora certa.

Boas fodas com palmadas e até quarta.

Noé

Noé

Noé

Trintão miúdo de coração ao pé da boca. Perdido em fantasias concretizadas e concretizáveis apenas preso por amarras do anonimato. Relatos passados de opinião libertina é um santo pecador por excelência.

  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
blog comments powered by Disqus

Inserir Anúncio Gratis