PUB
mascote
Banner Favoritos
PUB


10 dezembro, 2017 Sexting: a Origem

Porque tudo teve um início.

Nudes, sexo virtual e sexting. As opções para sexo à distância são tantas que uma pessoa já nem sabe se acabou de descobrir a última moda ou chegou demasiado tarde a uma. Porém, quando surgiu o sexting? Na primeira SMS? Carta? Telegrama? Nínguem sabe. Mas tal como eu gosto de fantasiar com sexo, posso imaginar como terá sido a origem do sexting.

Sexting: a Origem

Condado Portucalense MCXIV (D.C.)

Uma mui nobre donzela lusitana recebe a visita de um pombo correio no alto da sua torre, retira o papiro do anel da pata do pouco nobre rato com asas e lê para si:

“Mui nobre dama... que estais a phazer?”

A mui nobre dama arranca uma pena do pombo, molha no tinteiro e escreve num pequeno papiro:

“Oh… a escovar o cabelo sentada num banco de pau em frente a um espelho redondo. Como todas as damas nesta altura phazem. Porque perguntais, nobre cavaleiro?”

O pombo carrega a sua mensagem, regressando três dias depois.

 “Hmmmm… estava aqui deitado a pensar na nobre dama e comecei a sentir coisas na armadura….” - lê a dama para si.

 “Ai, as vossas palavras incendeiam a mais fria senaita do reino. Quereis vós saber o que tenho vestido?” - respondeu.

Três dias depois...

o pombo volta e já phodido por estar a fazer de pombo correio entre estes dois (N.A: AHAHAHA! Perceberam? O pombo correio está fodido por ser pombo correio! Han? Esqueçam…)

“Deixa-me já tirar a malha da armadura e uma destas luvas de metal ou ainda a mui nobre pila phica em pharripas…” - leu a mui nobre dama.

“Ai, nobre cavaleiro. Isto não são palavras de uma senhora ler. Ainda bem que eu sou uma devassa. Tenho 7 saias vestidas e um espartilho….” - enviou de volta.

Três dias depois...

“Ui… essas saias já saíam, ó nobre dama. Já tirei a armadura e a luva… há 3 dias!” - leu a dama ofegante.

 “7 saias disse eu? Eu quis dizer 5… e desapertei o espartilho…” - enviou ela de volta para o gajo que está com tesão há 6 dias.

Dois dias depois...

Um pombo com um olho negro aparece junto da dama (N.A: o gajo bateu-lhe para ele ir mais depressa).

“UUUUUUUUUUUUUI, 5 saias é mesmo estar a pedi-las…” - leu ela.

“4 saias… 4… como eu queria estar agora consigo, nobre cavaleiro!” - escreveu ela no papiro. Deu uma solha no pombo e soltou-o pela janela.

Três dias depois...

O mesmo pombo chega.

“Epá, ó dama… tira lá a merda das saias todas ou só me consigo vir lá para Abril! E estamos em Outubro, phoda-se!” - dizia o papiro.

“POR QUEM ME TOMAIS? UMA DESAVERGONHADA? HMMM? JULGAR EU QUE TIREI 3 SAIAS POR SI, NOBRE CAVALEIRO!” - respondeu a dama indignada.

Três dias depois...

O mesmo pombo chega. A rir! (N.A: o cabrão do pombo é comediante!)

“Calma, calma, calma… não quis apressar as coisas. Afinal, só estamos nisto há quase um mês. Tendes razão, mui nobre dama!” - vinha escrito no papiro.

Moral da história: não apressem as coisas.

Até quarta e boas fodas.

Noé

“Dama is ophphline." - escreveu ela. “Vai pombo. Ide. Ai que esse cabrão mostre os paprints (N.A: prints de papiros) a alguém!”

Noé

Noé

Trintão miúdo de coração ao pé da boca. Perdido em fantasias concretizadas e concretizáveis apenas preso por amarras do anonimato. Relatos passados de opinião libertina é um santo pecador por excelência.

  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
blog comments powered by Disqus

Inserir Anúncio Gratis