PUB
mascote
PUB


26 dezembro, 2013 Um negro na noite, Ep 59 ao Ep 63

   * QUINQUAGÉSINO NONO *

Foi um jantar e peras. Das garrafas sobrou meia:   "- Eu não te dizia Silvina..."  O marido riu-se e piscou-me um olho. Agora chegáramos aos Favaios enquanto ele continuava a recordar histórias passadas em carros-eléctricos.  " Ó Alfredo e ainda te gritam: ó Fonseca olha o trole..."  "- Ai.
menino-doutor. Nem me diga nada!" Estávamos nas duas da manhã quando a campainha cantou. Fizémos silêncio apenas cortado pela voz de Silvina:
"- Olha a menina Isabel! Está, está. Entre menina." E Isa ou Belicha entrou ainda com a farda de serviço. Já fôra banhar-se a minha casa.
Usara a minha Colónia. Deu um beijo ao Alfredo e eu recebi outro.
Sentou-se e Silvina, conhecedora dos seus gostos, trouxe uma garrafa de whiskey. Adivinhei uma noite a espraiar-se na manhã. 

   * SEXAGESSIMO EPISÓDIO * 

Chegámos já passava das quatro. 
Estava com sono e copos. Ela, habitualmente, calma. Eu comprara aquele apartamento há sete anos. Fiz-lhe obras. Duas suites ambas com banheiro privativo.A minha tinha, também, jacuzi.Uma sala com uma mesa articulada que servia para refeições ou reuniões. Um escritório onde, rodeando a minha secretária, prateleiras guardavam "reliquias": livros, discos, jornais. Ao fundo uma sala de banho. Nas paredes reproduções de quadros desde a Antiguidade à Àrte Moderna expostos sem qualquer ordem cronológica. Deitámo-nos. Adormeci rápido com as suas mãos afagando-me o cabelo e os seus lábios percorrendo, suavemente, o meu pescoço e as minhas costas. Dez horas. Nus acordámos com a campainha do telefone. Era da Fábrica. Tinham chegado uma série de documentos que urgiam a minha assinatura: "- Só?" indaguei. Do lado de lá adivinhei o riso gozão da minha secretária: "- Só?... mas com visitas. Pelas quatro mando-lhe o estafeta. Ok?".Desligámos.           
 

   * SEXAGÉSIMO PRIMEIRO *
   
Dez horas da manhã. Nus despertámos com o som do telefone. Era da Fábrica. Haviam chegado uma série de documentos que urgiam a minha assinatura: "- Só?" indaguei. Do lado de lá adivinhei o riso malandro de Laura: "- Pois...está com visitas. Vou mandar o estafeta. Pelas quatro horas".Desligámos. Belicha preparara umas torradas, leite gelado e mel. Vestira um baby-doll e dispensara o bikini. Eu umas bermudas. Olhei-a e, como de costume, quando a mirava assim equipada entesava-me. Ela sabia.            


   * SEXAGÉSIMO SEGUNDO *
  
Tomávamos o pequeno almoço e badalávamos quando bateram à porta. Isa foi abrir. Era o correio com uma pesada encomenda. Mandou-o entrar. O rapaz olhou-a e sentiu-se embaraçado. Arrumou a caixa-eram livros que eu encomendara - quando lhe pediu que lhe coçasse as costas. Envergonhado acedeu. No momento Belicha jogou-lhe a mão ao caralho. Abriu-lhe as calças e de dentro delas saltou um sardão grande e grosso. Ajoelhou-se e começou a chupá-lo. Foi sol de pouca dura. Uma leitada encheu-lhe a boca. 
Virou-o e atacou um botão de rosa que o pôs, de novo, de pau feito. Eu assistia mastigando torradas e lendo, pelo canto do olho, as gordas do Jornal. Levou-o para o quarto. Terminei a refeição-primeira e segui-os. Estavam a foder como cães ciosos. Era altura de entrar. 
Esfreguei a pila na cara dela. E espanto meu! O rapaz sentindo o meu sexo perto da sua boca optou por me lamber os tomates. Não perdoei e meti-lho todo na boca. Esporrámo-nos todos ao mesmo tempo. Ele comeu tudo gulosamente. Vestiu as calças, pegou no saco de cabedal e abalou. 
Na cama, Isabel e eu, iamos voltar ao sono e, talvez, ao sonho. Antes que ela adormecê-se dei-lhe um beijo e murmurei:  "- O CARTEIRO 'VEM-SE' SEMPRE DUAS VEZES..."     Rimo-nos.   
    
     
   * SEXAGÉSIMO TERCEIRO *

Acordámos às três da tarde. 
Saciados. Na longa mesa, bem preparado pela Silvina, um almoço de frios de comer e chorar por mais. Não chorámos... Às quatro chegou o estafeta. Assinei a papelada da Fábrica e, quando voltei à sala, Isabel desnuda, sentada no sofá, fumava um cigarro. Pernas meio abertas mostravam uma cona rosada "sorrindo" para mim. Não falhei e, a minha lingua, em compasso certo, fez com que se orgasmasse várias vezes. Senti na boca aquele nectar que eu bem conhecia. Em suspiros de gozo puchei-a para o chão e, na alcatifa, organizei uma canzana celestial. Esporrámo-nos juntos enquantos as nossas salivas se misturavam. Levantei-me e trousse-a comigo. A enorme banheira do jacuzi recebeu-nos na tepidez duma água com odor de erva de Sta. Maria e uma espuma envolvente.    

Lingua de Radar

Lingua de Radar

Aeneanero sit amet quam egestas semp ultricies mi vitae est. Vestibulum erat wisi, condimentum sed, commodo vitae, ornare sit amet, wisi. Aenean fermentum, elit eget tincidunt condimentum.

blog comments powered by Disqus

Inserir Anúncio Gratis